Branca de Neve e o Caçador

Hoje vou comentar um pouco sobre o filme “Branca de Neve e o Caçador”. A proposta do longa é contar a história que todo mundo já conhece da forma mais próxima de sua versão original, adaptada pelos irmãos Grimm. Os alemães Jacob e Wilhelm Grimm foram os responsáveis pela criação de vários contos, como Cinderela, Rapunzel, Bela Adormecida e Chapeuzinho Vermelho. Mas, em sua origem, essas lendas eram voltadas para o público adulto, e apresentavam mais violência do que encantamento.

Irmãos Grimm

O filme começa com a mãe de Branca de Neve, no momento em que ela escolhe o nome de sua futura filha. As próximas cenas já mostram a morte da rainha e a pequena Branca, que já é considerada pelo reino como a menina mais bela de todas. Transtornado com a morte de sua esposa, o rei parte para uma batalha com um exército desconhecido. E aí começa a parte mais interessante do filme, que faz toda a diferença nessa versão. É nessa batalha que o rei conhece a feiticeira e futura esposa Ravena (Charlize Theron), e a partir desse momento é possível acompanhar todo o processo de tomada do reino pela madrasta má. Branca de Neve (Kristen Stewart) dessa vez não é feita de empregada, e sim presa na torre mais alta do castelo.
Isso, até o famoso espelho (que dessa vez só falta sair andando), proclamar que a moça é a mais bonita de todo o reino.

Ravena, a madrasta má
Branca de Neve

Como todo mundo sabe (pelo menos quem teve infância), é nessa parte da história que surge o caçador (Chris Hemsworth). Sua relevância nessa versão é muito maior, o que também eu achei sensacional. Não vou adiantar muita coisa da história, mas posso dizer que o príncipe Willian (Sam Claflin) não tem função nenhuma no filme.

Chega de príncipe, agora é a vez do caçador

E é claro que não poderiam faltar os sete anões, que dessa vez aparecem muito mais selvagens e rabugentos. Mas são os responsáveis pelos momentos de humor do filme.

Anões rabugentos

No geral, gostei bastante do que vi. Como ponto negativo, destaco a fraqueza da interpretação dos personagens da Branca de Neve, caçador e príncipe Willian. Mas nada que tenha prejudicado muito o resultado.

E para matar a saudade, um trecho da versão original da Disney (o filme que eu mais assisti na minha infância):

Vida, estou de volta!

Política, jornalismo e humor: trio de sucesso

Oi galera, tudo bem?
Hoje vou dar uma pausa nos assuntos de arte e cultura para dar duas notícias:

1ª Entreguei meu TCC!!!!
2ª Tirei 10!!!!!!!!

Nem preciso falar o quanto fiquei feliz, né? Eu não tenho o costume de ficar me gabando não, mas fiquei muito orgulhosa e satisfeita com o resultado. Nem tanto pelo conteúdo do trabalho, porque a análise do humor aliada ao jornalismo já foi feita por muita gente, mas principalmente por ter superado esse desafio de ser dedicar a esse trabalho durante um ano. Não é fácil. Com certeza, um dos fatores fundamentais para o sucesso de qualquer coisa que a gente faça na vida é gostar muito do que se faz. Eu amei o tema do meu TCC, tanto que ele já estava escolhido antes mesmo de eu entrar na faculdade. Um saldo muito positivo de ter feito o TCC sobre o jornalismo político no CQC é que eu tive que estudar mais a fundo a televisão brasileira. Aprendi muita coisa, e li ótimos livros (que vou recomendar para vocês depois).
Queria agradecer o incentivo de todos e dizer que daqui a seis meses, vocês conhecerão mais uma jornalista, desempregada, mais feliz por ter chegado até aqui.

E agora, espero que eu consiga atualizar o blog com mais frequência e do jeito que eu quero (porque até agora eu não consegui achar o “tom” certo para ele).

E para encerrar, eu ressuscitei um antigo blog, chamado “Todos os Verbos”. Eu tenho um desejo incontrolável de escrever coisas sem sentido (que só fazem  sentido para mim, na verdade), e eu reservei esse blog só para fazer isso. Quem quiser conhecer, eis o link: http://todososverbos.blogspot.com.br/

Mais uma vez, muito obrigada galera!

Beijos 🙂

Parabéns, Chico!

Hoje o cantor Chico Buarque comemora 68 anos. Não sou profunda conhecedora da obra de Chico, e até acho que criaram em volta dele uma “aura” um pouco exagerada, mas é impossível não reconhecer a beleza de sua obra. Além disso, alguma de suas músicas marcaram a história do Brasil, na época em que os artistas realmente se engajavam para mudar alguma coisa nesse país.

Vou deixar uma música que na minha humilde opinião, é uma das mais belas da MPB.  Uma composição de Chico Buarque e Tom Jobim:

Eu te amo

Ah, se já perdemos a noção da hora
Se juntos já jogamos tudo fora
Me conta agora como hei de partir

Ah, se ao te conhecer
Dei pra sonhar, fiz tantos desvarios
Rompi com o mundo, queimei meus navios
Me diz pra onde é que inda posso ir

Se nós nas travessuras das noites eternas
Já confundimos tanto as nossas pernas
Diz com que pernas eu devo seguir

Se entornaste a nossa sorte pelo chão
Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu

Como, se na desordem do armário embutido
Meu paletó enlaça o teu vestido
E o meu sapato inda pisa no teu

Como, se nos amamos feito dois pagãos
Teus seios ainda estão nas minhas mãos
Me explica com que cara eu vou sair

Não, acho que estás te fazendo de tonta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir.

 

E vocês, curtem Chico Buarque? Têm alguma música preferida?

 

Três músicas para o dia dos namorados (dos solteiros)

Eu não ia fazer nenhum post sobre o dia dos namorados esse ano, por pura falta de inspiração mesmo. Mas aí, por acaso, eu estava olhando o meu antigo blog, e vi que no ano passado fiz um post muito fofo, apesar de estar encalhada. Esse ano, eu também estou encalhada (para variar), mas não estou nem um pouco fofa. Então, amigos e amigas solteiros, juntem-se a mim na escolha das músicas nada fofas para se ouvir nesse Dia dos Namorados. Vamos as minhas escolhas:

1- Eu não gosto de ninguém

“Não quero que me veja
Não quero que me chame
Não quero que me diga
Não quero que reclame
Eu espero que você entenda bem
Eu não gosto de ninguém…”

Matanza é o tipo de banda que eu recomendo para qualquer momento de raiva, revolta e principalmente para quando você quer muito xingar uma pessoa, mas não pode. É terapia pura.

2- Já que você não me quer mais

“Se o seu coração
Não me notar
Não tem problema, deixa estar
Pois sem você
Eu sei viver…”

Se o amor da sua vida vai passar o dia dos namorados com outra pessoa e você vai ficar chupando o dedo, por favor, não vai ficar ouvindo aquelas músicas de fossa. Grite bem alto que você sabe muito bem viver sem ela. E arrume outro (a) bem melhor.

3- Eu nunca te amei idiota

“Vá embora, quebre a cara
Eu queimei seu dinheiro
Eu nunca te amei idiota
Eu nunca te amei…”

Essa é MARAVILHOSA para dar aquela indireta básica no Facebook/Twitter. A Ana Carolina tem ótima músicas para essa finalidade. Aproveitem!

Brincadeiras a parte, que todos tenham um feliz dia dos namorados (acompanhados ou não).

E vocês, lembram de alguma outra música que possa entrar nessa lista?

Memorial da Resistência de São Paulo

O ano de 2012  já ficou marcado na história do Brasil. Tivemos instalada no país a Comissão da Verdade, que irá investigar as violações aos direitos humanos cometidas durante o período da Ditadura Militar (1964-1985). Por conta disso, temos acompanhado com muita frequência notícias, documentários e reportagens especiais que tratam desse tema. Um dos meus trabalhos na faculdade esse semestre foi criar um site, e eu e a minha super equipe resolvemos focar nesse assunto e fazer um especial para os nossos leitores (e principalmente para o nosso professor). Vou falar rapidamente sobre a visita aqui, mas a cobertura completa vocês podem conferir no nosso site (que na verdade é um blog, mas blz): http://mapadanoticia.blogspot.com.br/

O Memorial fica localizado no bairro da Luz, região central de São Paulo. O local abrigou, entre 1940 e 1983, o Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo, o Deops/SP, uma das polícias políticas mais truculentas do país, principalmente durante o regime militar. Lá foram presos militantes que atuaram durante a Ditadura.

O espaço é divido entre a exposição temporária e o acervo do Memorial.  Durante o ano, são escolhidos três temas para exposição, e nós tivemos a oportunidade de acompanhar a mostra “Apolonio de Carvalho, a trajetória de um libertário”. Apolonio foi um militante que dedicou sua vida à luta pela justiça, liberdade e democracia no Brasil, Espanha e França. Entre os vários acontecimentos que marcaram sua vida e a história do país, se destaca sua participação na fundação do PT (Partido dos Trabalhadores).

Apolonio e Lula
Veículos noticiando a fundação do PT (que utopia, não?)

A segunda parte do Memorial conta a história da Ditadura Militar e do Deops através de fotos, vídeos, documentos, livros e da reconstrução das celas onde ficavam presos os militantes. Os organizadores realizaram um ótimo trabalho, é possível sentir o clima de terror e agonia que esteve presente lá por tanto tempo.

Reconstrução das celas

Esse era o único contato que os presos tinham com o mundo exterior. E alguns nem chegaram a conhecer esse local…

Essa foto abaixo foi tirada em uma sala em que os visitantes podem ouvir o testemunho das pessoas que estiveram presas no Deops.  É a parte mais emocionante da exposição. Apesar de tudo, ainda existia a esperança…

Com certeza, vale a pena visitar o Memorial e conhecer um pouco mais da história do país. Recomendo

Memorial da Resistência de São Paulo:
http://www.memorialdaresistenciasp.org.br/