Enfim, jornalista

jornalista[1]Hoje eu fui ao Poupatempo tirar a 2ª via do meu RG.  A moça, muito simpática, começou a atualizar meu cadastro e me perguntou qual era o meu grau de escolaridade. Respondi que havia acabado de me formar, e então ela fez a pergunta que meus ouvidos já estavam ansiosos para ouvir: “Qual é a sua profissão?”. Foi com um sorriso de orelha a orelha que eu respondi: “Sou jornalista”. Ela também sorriu: “Nossa, que legal, parabéns!” (Não sei porque, mas tenho a impressão que todo mundo fica feliz quando ouve alguém dizer que é jornalista).

Enfim, faz um mês que eu abri a Central do Aluno do site da faculdade e vi que havia fechado as notas e estava matematicamente formada. Naquele momento, as lágrimas vieram aos olhos, comecei a tremer, e um colega no trabalho perguntou: “Sério que você está assim porque terminou a facu?” Não era apenas isso. Havia acabado de realizar o maior sonho da minha vida.

Desde os 12 ou 13 anos, já queria fazer jornalismo, sempre tive certeza absoluta disso. No final do ensino médio, enquanto a maioria dos meus colegas tinham dúvidas sobre qual vestibular prestar, eu já tinha decidido no meu coração qual faculdade fazer. Maas, foi aí que ele apareceu: o medo.

Sempre fui uma pessoa de espírito muito independente, e também sempre soube que o jornalismo não deixa ninguém bem de vida financeiramente (tirando algumas exceções que todos nós conhecemos). Foi aí que eu decidi fazer um ano de cursinho e prestar Fuvest para Administração (?????). Óbvio que não passei.

fuvest-2012
Meu nome não tava lá, mas zuei muito no cursinho rs

No ano seguinte, comecei a trabalhar. A empresa que eu trabalhava tinha convênio com uma faculdade no curso de TI, além de planos de construir um grande pólo de tecnologia e contratar funcionários formados nesse curso. Muito dinheiro e plano de carreira eram coisas que eu almejava naquele momento, afinal, quanto mais rápido eu conquistasse a tal  independência financeira, mais rápido poderia perder o medo e correr atrás do meu sonho jornalístico. Lá foi Talitinha fazer TI…e óbvio que também não deu certo.

Sério que um dia achei que ia trabalhar com isso? (risos)
Sério que um dia achei que ia trabalhar com isso? (risos)

Depois de um ano, tranquei a faculdade, tomei coragem e finalmente fui meter a cara no jornalismo.

E foi simplesmente a melhor coisa que eu poderia ter feito. Posso dizer, sem sombra de dúvida, que os últimos quatro anos foram os mais felizes da minha vida, em grande parte por conta da faculdade. Se eu perdi o medo? Claro que não.

Sempre me perguntava: será que eu tomei a decisão certa? Será que eu vou sobreviver com essa profissão? No terceiro ano, por conta de uma experiência desagradável no meu primeiro estágio, pensei seriamente em desistir, pensava todos os dias que isso não era vida pra mim. Mas graças ao meu pai, minha mãe, alguns amigos e um sonho de infância alimentado durante toda uma vida, não desisti. E consegui.

Não trabalho na TV, nem no rádio e nem na imprensa. E provavelmente nunca vou trabalhar. Tenho “planos de carreira” muito mais realistas em relação ao jornalismo, e pretendo me especializar em comunicação na internet (é a área que trabalho no momento).

Mas, de uma coisa eu tenho certeza: Nasci pra escrever, minha vida é escrever e se eu conseguir não passar fome fazendo o que eu gosto, vou ser a pessoa mais feliz da face da terra.

Mesmo que eu nunca seja a Fátima Bernardes, sou muito feliz em saber que pelo menos tenho um pedacinho do dedo mindinho presente nessa profissão mágica que é o jornalismo.

Gostaria muito de agradecer quem leu esse texto até aqui haha, que acompanha o blog e quem sempre esteve presente nessa minha batalha, mesmo de longe, mesmo só lendo as baboseiras que eu escrevo de vez em quando nesse pequeno espaço. Queria agradecer também ao meu grupo na faculdade: Juliana, Aline, Edilene, Wagner e Meire. Eles compartilharam esse sonho comigo, e me ajudaram a chegar até aqui. Além de um diploma, ganhei amigos muito especiais!

Edilene, Juliana, Wagner, Aline e eu, no último trabalho de TV :) (Meire teve que trancar a facu durante um semestre)
Edilene, Juliana, Wagner, Aline e eu, no último trabalho de TV 🙂 (Meire teve que trancar a facu durante um semestre)

Enfim, mais uma vez, muito obrigada a todos! Espero que 2013 seja o melhor ano de nossa vidas, e conto com vocês nessa caminhada de novos sonhos a serem conquistados;)

6 comentários sobre “Enfim, jornalista

  1. Anônimo

    Huhu!
    Que legal, Parabéns!
    Sim, acho que a melhor decisão que tivemos foi sair do curso de TI, porque ingressamos realmente no nosso sonho.
    Que agora é realidade!
    Parabéns, por mais uma etapa conquistada!!!

    Saudades!

  2. Li Fonseca

    Parabéns JORNALISTA! É Tali não foi fácil, rsrsrs… muitas risadas, estresse, mais risadas, momentos de tensão… durante a facul, mas valeu a pena. Principalmente, por essa amizade que construímos ao longo desses 4 anos! E vc vai ver, vai conseguir sim sobreviver fazendo jornalismo!!! Bjos

Obrigada pelo comentário! :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s