Coragem de manifestantes e violência da PM marcam protestos em São Paulo

tn_620_600_protesto_sao_paulo_1406treze
Concentração de manifestantes em frente ao Teatro Municipal, no 4º dia de protestos contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo

Hoje não vou falar sobre filmes, músicas e nem livros, mas sobre um assunto que parou a cidade de São Paulo essa semana: As manifestações contra o aumento da passagem de ônibus, que passou de R$ 3,00 para R$ 3,20.

O transporte público paulistano (e de todo Brasil) é péssimo, isso é um fato. Porém, todos os anos somos surpreendidos com o aumento da passagem, sem conseguir enxergar para onde esse dinheiro vai. Ou melhor, enxergamos sim: para o bolso de alguns políticos.

Todo mundo reclama dos aumentos e resmunga nas redes sociais, mas nunca passou disso. Isso, até a última semana.

No dia 06/06, foi realizada a primeira manifestação organizada pelo MPL (Movimento Passe Livre). De acordo com o site oficial do grupo, o Movimento Passe Livre (MPL) é um movimento social autônomo, apartidário, horizontal e independente, que luta por um transporte público de verdade, gratuito para o conjunto da população e fora da iniciativa privada.

O MPL se organizou com outros grupos favoráveis à causa e conseguiu levar milhares de pessoas às ruas, somando até agora 4 grandes manifestações na cidade.

10590_673128902702175_585926648_n
Avenida Paulista tomada pelos manifestantes, no 3º ato contra o aumento da passagem

Sou totalmente à favor das manifestações.

Por mais que a passagem não diminua (porque eu acho que não vai diminuir mesmo), não dá mais pra engolir toda a roubalheira dos políticos e ficar por isso mesmo. Vai aumentar? Então São Paulo vai parar.

Claro que a manifestação poderia ser mais organizada, não atrapalhar o trânsito, as ruas com hospitais e etc. Mas esses protestos não são apenas pelo 20 centavos a mais. O povo está na rua pedindo para não ser mais roubado, para ter hospitais com mais qualidade, segurança em seus bairros…enfim, o povo está pedindo respeito da única forma que os governantes conseguem ouvir: causando barulho.

Votar certo não adianta, porque a questão vai muito além de quem e qual partido está no comando. Todos os partidos roubam, a grande maioria dos políticos roubam. E aqueles que não roubam, nunca conseguem apoio sequer para se candidatar (porque será?).

Se voltarmos na história, nenhuma revolução aconteceu sem violência. Claro que o vandalismo poderia ser evitado, mas uma coisa as pessoas precisam entender: O MPL e grupos ligados não estão cometendo vandalismo. Os responsáveis são pequenos grupos que aproveitam a aglomeração para “causar” (assim como acontece em todo o tipo de aglomeração).

O que eu vi da manifestação

Estive presente nos arredores da Paulista durante a 4ª manifestação, que aconteceu na última quinta feira (15). Trabalho na Av. Angélica, que é bem próxima da Paulista, e resolvi ficar por lá para acompanhar a movimentação e sentir um pouco o clima do protesto.

A primeira coisa que percebi foi a presença maciça da PM. Nunca vi tantos policiais juntos, nem em grandes eventos realizados na cidade (como a Virada Cultural, por exemplo). Vi também vários cinegrafistas e fotógrafos, todos esperando os manifestantes chegarem à Paulista. Algumas pessoas também estavam esperando para se unir ao grupo.

Uma das entradas da estação Paulista foi fechada pelos polícias, fiquei próxima da outra entrada, que até então ainda estava aberta.

Tropa de Choque

Quando a Tropa de Choque chegou na Consolação, parecia cena de filme. Desceram todos do “Caveirão” gritando palavras de guerra, estavam prontos para derrubar tudo e todos que tivessem uma atitude considerada fora do esperado. Um rapaz perto de mim começou a gritar frases do tipo “R$ 3,20 é roubo” e “Viva a Democracia”. De repente, vi que foi jogado do nosso lado um pequeno frasco. Era uma bomba de gás, que logo começou a soltar uma fumaça branca e fedida. Tive que correr, assim como todos que estavam perto de mim (devia ter 5 ou 6 pessoas). Atacados por uma bomba sem motivo nenhum.

Continuei perto da entrada do metrô com algumas pessoas, todos esperando a chegada dos manifestantes à Paulista. Com a proximidade do grupo, a PM anunciou que fecharia a entrada do metrô dentro de 2 minutos. Diante do clima de guerra e das várias bombas que estavam sendo jogadas na região (sem contar a Tropa de Choque ameaçadora), não quis arriscar a minha vida e entrei. As portas foram fechadas.

Manifestação dentro do metrô

Muitas pessoas entraram na estação, mas não foram para suas casas. Um grande grupo ficou acompanhado a movimentação do lado de dentro, esperando os manifestantes que tinham muita dificuldade para chegar. Todas as entradas da Av. Paulista estavam fechadas, e a ansiedade dos “manifestantes do metrô” era grande.

Foi aí que eu presenciei o momento mais tenso.

Começou um grande barulho de bombas e tiros do lado de fora, parecia que os manifestantes finalmente tinham chegado, e a confusão ia começar. Diante disso, muitas pessoas que estavam na rua querendo simplesmente ir para a casa tentaram desesperadamente entrar na estação, e a PM não deixou.

Imaginem, pessoas com medo de levar um tiro implorando para que os policias abrissem a porta, e eles não abriam. Foi nesse momento que nós que estávamos dentro da estação nos revoltamos, e começamos a gritar para que as portas fossem abertas. Uma grande confusão, até que a PM abriu a entrada novamente. Pessoas entraram passando mal.

A partir desse momento, todos começaram a gritar “Sem violência, sem violência”. E qual foi a atitude da PM? Ameaçar todos que estavam gritando. “Quem quiser gritar, vai pra rua”, diziam eles. Traduzindo: “quem quiser gritar, vai pra rua receber tiro de borracha e bomba”.

Alguns minutos depois, fui embora. Os manifestantes não conseguiram chegar até aquele ponto em que eu estava, eles já estavam espalhados pela região.

Foi uma noite muito forte para mim. Já tinha ouvido falar de como a PM agia com violência, mas nunca tinha visto essa repressão tão de perto. Admiro muito a coragem de todos aqueles que foram às ruas, mesmo correndo risco de vida e sendo criticados por uma parcela alienada da população.

Violência contra a imprensa

protesto_sp_violencia_policial_imprensa

2013061326083

E o que dizer dos jornalistas que foram presos e feridos? Triste, lamentável, vergonhoso…que profissão sofrida, meu Deus. Quando não são demitidos em massa de algum veículo de comunicação, são agredidos quando estão fazendo apenas seu trabalho. Quando esses profissionais vão ter segurança (em todos os sentidos)? Oremos.

Bom, essa é a minha visão dos protestos. Felizmente, muita gente está comentando nas redes sociais, dando a sua opinião e pensando sobre o assunto. Estou muito feliz em ver que a população (principalmente os jovens) estão saindo da inércia e lutando pelos nossos direitos.

7 comentários sobre “Coragem de manifestantes e violência da PM marcam protestos em São Paulo

  1. Olha amei td q escreveu vc sabe q no primeiro dia eu n dei bola? no segundo achei vandalismo partidário mas falei c umas pessoas q participaram, falei tbm c um colega q estava escutando os dois lados ai entendi tudo e sou bem a favor….chega de impunidade, chega de sermos trouxas e a copa? o dinheiro da copa poderia salvar o país mas não vamos fazer as pessoas burras e escravas do futebol td se torna fácil. Estou Amando ver o país pensando e se mobilizando até q enfim eles tem de nos ouvir! Não podemos calar mesmo! bjo
    http://www.anaherminiapaulino.blog.uol.com.br

  2. Parabéns pelo texto! sou favorável à manifestação! Acho lindo o povo unido por uma causa! O problema são os oportunistas, seja partidários ou simplesmente vândalos, que se aproveitam da causa para “causar”, com o perdão da redundância. Mas nem eles conseguiram invalidar o protesto! Abraço!
    André San – http://www.tele-visao.zip.net

  3. Olá, tudo bem? Você trabalha na Avenida Angélica? Vizinha! Rs….Eu não concordo com alguns posicionamentos sobre a Polícia. Os policiais são desvalorizados há muitos anos pelo Governo do Estado de São Paulo. Aliás, eles deveriam também participar desses protestos. Fica esse registro. O problema maior não é o valor da tarifa, mas o modo de transporte. Aqui na cidade, ônibus não resolve. É metrô, é trem, é VLT…. Bjs, Fabio http://www.fabiotv.zip.net

  4. cascudeando

    Credo guria, não deve ter sido legal o momento no metrô! Eu que tô no sul do Brasil tô vendo como a coisa está séria. Também abri um espaço no blog pra citar as manifestações. Temos que garantir muitos direitos e conquistar outros. Estamos num momento histórico!
    http://www.cascudeando.zip.net

  5. Pingback: Brasil acorda e conquista a primeira batalha – Mas a guerra continua | Avesso e Reverso

Obrigada pelo comentário! :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s