Um pouco de Vinícius de Moraes

grande
Vinícius de Moraes

Nesse fim de semana, a Livraria Cultura realizou em São Paulo o evento “Vira Cultura“, que reuniu no Conjunto Nacional cerca de 140 atrações em 35 horas de atividades, todas com entrada gratuita.

Vou falar rapidamente sobre o evento no final desse post, mas antes gostaria de falar um pouquinho sobre Vinícius de Moraes. Isso porque a única atração que eu consegui acompanhar foi a exibição do filme “Vinícius de Moraes” que conta a história do poeta e compositor através do depoimento de seus amigos e familiares.

Vou ser bem sincera: na minha cabeça, Vinícius de Moraes se resumia ao cara que compôs “Garota de Ipanema” com Tom Jobim. Nunca tive muito interesse em conhecer outros trabalhos dele. Durante o filme, finalmente descobri quem foi esse carioca que levou a música brasileira para o mundo.

E o que mais me surpreendeu nessa história foi o lado poeta dele. Além das poesias que todo mundo conhece, ele escreveu muita coisa boa…principalmente sobre o amor. De acordo com os depoimentos do filme, Vinícius era o tipo de pessoa que precisava estar apaixonado para viver (não é a toa que ele foi casado 9 vezes). E de toda essa necessidade das mulheres e do amor, ele tirava a inspiração para criar verdadeiras obras primas.

Ao longo do filme, a atriz Camila Morgado e o ator Ricardo Blat recitaram algumas obras de Vinícius. Deixo com vocês a linda poesia “Os acrobatas” (entendedores entenderão) e logo abaixo, o documentário completo. Aproveitem!

Os acrobatas

Subamos!
Subamos acima
Subamos além, subamos
Acima do além, subamos!
Com a posse física dos braços
Inelutavelmente galgaremos
O grande mar de estrelas
Através de milênios de luz.

Subamos!
Como dois atletas
O rosto petrificado
No pálido sorriso do esforço
Subamos acima
Com a posse física dos braços
E os músculos desmesurados
Na calma convulsa da ascensão.

Oh, acima
Mais longe que tudo
Além, mais longe que acima do além!
Como dois acrobatas
Subamos, lentíssimos
Lá onde o infinito
De tão infinito
Nem mais nome tem
Subamos!

Tensos
Pela corda luminosa
Que pende invisível
E cujos nós são astros
Queimando nas mãos
Subamos à tona
Do grande mar de estrelas
Onde dorme a noite
Subamos!

Tu e eu, herméticos
As nádegas duras
A carótida nodosa
Na fibra do pescoço
Os pés agudos em ponta.

Como no espasmo.

E quando
Lá, acima
Além, mais longe que acima do além
Adiante do véu de Betelgeuse
Depois do país de Altair
Sobre o cérebro de Deus

Num último impulso
Libertados do espírito
Despojados da carne
Nós nos possuiremos.

E morreremos
Morreremos alto, imensamente
IMENSAMENTE ALTO.

Sobre o “Vira Cultura”

A intenção da Livraria Cultura foi ótima, mas diante de tanta divulgação do evento, a impressão que eu tive é que haviam muito mais pessoas do que o local poderia comportar. Quem desejava garantir o ingresso para conferir alguma atração tinha que chegar no mínimo com duas horas de antecedência. Que nos próximos anos, a questão do espaço seja repensada.

Dia Mundial do Rock – O ano das bandas internacionais no Brasil

Bon-Jovi-pic
Bon Jovi vem aí!

Hoje (13 de julho), é comemorado o Dia Mundial do Rock.

Acredito que os roqueiros brasileiros têm muito o que comemorar em 2013. Em meus 24 anos de vida, não me recordo de um ano em que tantas bandas de rock internacionais pisaram por aqui.

Em março, tivemos o festival Lolapalooza em São Paulo, que trouxe bandas como Pearl Jam, The Killers, entre outras. Em abril, o The Cure também marcou presença em Sampa e deu um pulo no Rio de Janeiro.

certa grande
Pearl Jam
the-cure grande
The Cure

Em setembro, teremos o Rock in Rio, que contará com a presença de bandas como Metallica, Iron Maiden, Slayer, Bon Jovi, Nickelback, Alice in Chains e Sebastian Bach.

Iron+Maiden
Iron Maiden (Eles têm um avião dirigido pelo próprio vocalista, a cara da riqueza)
sebastian-bach
Parece uma menina, mas é o Sebastian Bach (ex vocalista do Skid Row)

E a grande e melhor surpresa que os rockeiros poderiam ter esse ano é o festival “Monsters of Rock“, que contará com a presença de nada mais e nada menos que Aerosmith, Whitesnake, Ratt, Queensryche, Slipknot, System of Down, entre outras bandas consagradas no rock. Será realizado nos dias 19 e 20 de outubro, em São Paulo.

aerosmith-2
“Crazy, crazy….” Aerosmith
14_MHG_cult_whitesnake
A voz e o coroa mais sexy do rock…David Coverdale comanda o Whitesnake

E não acabou por aí nãooo!

O comedor oficial de morcego, Ozzy Osbourne, está de volta com a formação original da lendária banda de Heavy Metal Black Sabbath, e fará shows em São Paulo, Rio e Porto Alegre no mês de outubro. A banda convidada para acompanhar a turnê é o Megadeth.

E até o fechamento desse post, foi confirmada a presença da banda Red Hot Chili Peppers no Circuito Banco do Brasil, que será realizado em 6 capitais brasileiras entre agosto e dezembro. Os californianos são a atração principal em Belo Horizonte.

E para não dizer que não falei de flores, teremos também a banda Paramore (Belo Horizonte/Rio de Janeiro/Brasilia/São Paulo) em julho e o Beatle baterista Ringo Star (São Paulo/Curitiba) em outubro.

Acho que nem preciso dizer o quanto curto rock. Descobri Iron Maiden com 15 anos e desde então, minha vida sempre foi embalada pelos clássicos. Já estou com o ingresso garantido para vários desses shows (gastei MUITO mais do que poderia gastar), mas tudo bem…tudo pelo Rock’n’Roll!!!

E para encerrar, recomendo esse vídeo super legal, com uma breve história do rock resumida em 100 riffs.

Aproveitem o vídeo e os shows!!

UPDATE (14/07 ): O leitor do blog @felipeslytherin fez uma importante correção nos comentários: “Sim, o Ozzy voltou para a banda, mas não com os integrantes originais. Pelo menos não todos. O baterista Bill Ward não está presente na banda”. Valeu, Felipe!

O Grande Gatsby – O poder da observação

great_gatsby
Leonardo DiCaprio dá vida ao misterioso Jay Gatsby em “O Grande Gatsby”

Um clássico.

Acredito que essa seja a mais simples definição do livro “O Grande Gatsby”, escrito pelo americano F. Scott Fitzgerald e publicado pela primeira vez em 1925. Adaptado para uma peça da Broadway e duas versões cinematográficas, o romance chega ao cinema pela terceira vez, com Leonardo DiCaprio no papel de Jay Gastsby.

Quem narra essa história é o jovem sonhador Nick Carraway (Tobey Maguire). Vizinho de Gatsby, Nick costuma observar de longe as grandes festas na mansão do milionário. Depois de visitar sua prima Daisy (Carey Mulligan) e participar de uma animada “reunião” com o esposo de sua prima, Nick começa a ter algumas pistas de quem é Gatsby.

Até que um dia, ele recebe um convite para comparecer em uma festa na mansão vizinha. Nada demais, a não ser pelo fato de que ninguém era convidado para as festas de Gatsby, as pessoas simplesmente apareciam lá. Na verdade, ninguém sabia quem era Gatsby.

Depois da festa, os dois tornam-se amigos, até que Nick descobre o motivo do interesse do milionário por ele. Gatsby teve um caso com Daisy, e conta com a ajuda do vizinho para ficar novamente com a sua amada.

o-ator-tobey-maguire-interpreta-o-escritor-nick-carraway-narrador-de-o-grande-gatsby-e-vizinho-do-personagem-titulo-do-filme-baseado-no-livro-de-f-scott-fitzgerald-1370388212491_956x500
Nick Carraway (Tobey Maguire)
carey-mulligan-as-daisy-buchanan-in-the-great
Daisy (Carey Mulligan)

Muita coisa me chamou a atenção no filme, começando pela beleza do figurino impecável. As cenas na mansão de Gatsby são fantásticas, e a trilha sonora (com músicas atuais) se encaixaram perfeitamente com todo o clima dos anos 20.

Porém, o que eu mais gostei foi simplesmente da história. Durante várias cenas, a minha vontade era de ter um papel e uma caneta, para anotar as frases geniais escritas por F. Scott Fitzgerald. Me identifiquei completamente com Nick Carraway. Usando o poder (ou o dom) da observação, Nick traça a personalidade de todos que estão em sua volta com uma sensibilidade incomum.

Agora estou lendo o livro, e gostaria de ter escrito esse post depois de terminar a leitura (mas a ansiedade não deixou rs). E no livro fica mais evidente ainda a riqueza desse personagem. Sem dúvida, a minha parte favorita da história é quando Nick está em um apartamento em Nova York, e observa todas as janelas da cidade, com seus habitantes e histórias. Ele afirma que não sabe se está observando a cidade, ou a cidade está lhe observando. No livro, a frase que ele utiliza para resumir esse momento é essa:

“Eu estava ao mesmo tempo dentro e fora, encantado e repelido pela variedade inesgotável da vida…”

Eu sempre fui da opinião de que se as pessoas observassem um pouco mais o próximo (de forma positiva, claro), a vida seria muita mais interessante. E, de fato, a vida de Nick torna-se muito mais interessante ao observar, e posteriormente participar, da vida do misterioso e grande Gatsby.

Dito isso, recomendo muito o filme. Confiram o trailer e se possível, leiam o livro!